Versailles.

Mudei!

Estou passando por várias mudanças grandes na vida, e decidi levar o blog para uma nova casinha, meu site pessoal+profissional, sofiasoter.com!

(E a foto de Versailles no destaque é só para dar uma pequena gargalhada mesmo.)

em breve

Watch the queen conquer: sobre a Capitolina

Amor de Capitolinas.

Amor de Capitolinas.

Hoje, dia em que este post está indo ao ar, é aniversário da Capitolina (o hoje de verdade, em que escrevo o post, é uns dias antes, mas é que eu precisava garantir que ele ia sair a tempo). Precisamente um (01) ano atrás, a revista foi lançada oficialmente, site bonito e no ar, a primeira carta das editoras pronta pra todo mundo ler, e nosso próprio 2048 (que na época era moda, mas agora precisei pedir ajuda dos universitários pra lembrar do nome). Precisamente um (01) ano atrás, eu não saberia de forma alguma prever o lugar em que me encontro hoje (um hoje mais amplo, que abrange o hoje-dia-do-post-sair e o hoje-dia-de-escrever-o-post).

one track mind no momento. estamos quase lá!

A photo posted by Sofia Soter (@miss_sofia) on Apr 7, 2014 at 7:55pm PDT

 

Para tentar entender como chegamos até aqui, vamos dar um rewind rápido, estilo “nos capítulos anteriores” de séries de televisão.

Em meados/final de 2013 (nem sei dizer a data exata, já parece fazer tanto tempo), num grupo no Facebook criado para falar de arte e gênero, começou um papo sobre revistas adolescentes. Minha memória confusa não me deixa dizer como o papo surgiu exatamente (a Clara sempre lembra melhor do que eu), mas nele veio a pergunta: e se a gente tivesse uma revista para garotas adolescentes? Uma que fosse maneira, que falasse da realidade das adolescentes e não da adolescente-fictícia-perfeita-impossível que as revistas costumam inventar, que representasse gente fora do padrão branco/hétero/cis/rico/urbano/magro/etc. e tal? De alguma forma, isso virou uma conversa por inbox com a Clara e a Lorena – a Clara eu tinha acabado de conhecer no grupo, a Lorena já era uma das minhas melhores amigas desde 2009 (e um dia eu conto pra vocês sobre nossa amizade porque foi estilo amor à primeira vista) – e daí um novo grupo no Facebook, para organizar o que viria a ser nossa revista. Pensamos no projeto editorial, na mensagem que queríamos passar, no nome, no estilo de equipe (só garotas, escrevendo para garotas – passamos depois a incluir pessoas não-binárias, pois achamos a representatividade também fundamental). Chamamos gente: pelo grupo, pelas nossas próprias amigas. A coisa foi se arrumando, se estruturando, tomando forma aos poucos, com trabalho e mais trabalho e mais trabalho. Conheci a Clara pessoalmente em Londres em fevereiro de 2014, nos abraçamos, e a certeza de que isso ia dar certo só aumentou. Tudo culminou no dia 8 de abril de 2014: nossa estreia oficial. Desde então, publicamos dois textos ilustrados por dia, todos os dias. Temos mais de 70 colaboradoras, dentre escritoras, revisoras, ilustradoras, fotógrafas e produtoras de conteúdo audiovisual. Nossas coordenadoras de área ajudam a segurar as barras todas, e garantem que os textos de 19h saiam todo dia (as editoras cuidam dos de 13h), que tudo seja ilustrado e que os vídeos estejam em dia. Todas as nossas colaboradoras contribuem com o processo e o sucesso da revista, mesmo que a intensidade do envolvimento seja diferente para cada uma – o que importa é que todas acreditam profundamente na Capitolina. O que a gente descobriu ao longo do ano é que não são só elas (e a gente) que acreditam – as pessoas que leem também. E, gente, são muitas pessoas que leem. Posso contar pra vocês que tivemos mais de 1 milhão de visualizações no primeiro ano, que temos mais de 15.000 likes no Facebook, que recebemos uma porção de comentários por dia (e a maioria não é horrível), que cada e-mail de leitora (e são muitos!) me faz querer sorrir e chorar e dar um gritinho, tudo ao mesmo tempo. Ainda não posso contar pra vocês que a Capitolina vai se expandir um monte nos próximos meses, em formato e veículo e estilo. Também não posso contar pra vocês que estou, pessoalmente, mudando um monte de coisas na vida porque a revista está possibilitando e demandando, porque já conto sempre pra vocês que dá um trabalho cão.

capitolin(d)as no ano novo! ✨✨✨✨✨

A photo posted by Sofia Soter (@miss_sofia) on Dec 31, 2014 at 6:42pm PST

 

De abril de 2014 para abril de 2015 minha vida mudou mais do que eu imaginaria. Meus horizontes profissionais deram uma guinada, tanto na prática quanto na minha cabeça. Me vi estudando sobre negócios e ouvindo podcasts da Harvard Business School, me vi voltando a escrever com regularidade e começando um blog a sério, me vi criando uma confiança no meu trabalho que eu nunca tive com tanta clareza (mesmo que as dúvidas ainda batam com frequência). Não só isso, como me vi cercada por novas amigas maravilhosas, porque a Capitolina, além de tudo, me proporcionou uma rede de apoio admirável: mais de 70 mulheres, com vidas muito distintas, mas que se gostam e apoiam e ajudam em tudo, dos assuntos mais triviais aos mais graves. Se a revista fechasse amanhã (*bate na madeira*) a perda seria melhor por saber que essas 70+ mulheres incríveis ainda estariam na minha vida, superando esse obstáculo juntas.

Obrigada, Capitolin(d)as. Obrigada, pessoas que leem a revista. Obrigada, todo mundo que me apoiou de uma forma ou outra no último ano. Espero que todos estejam ao meu lado nos próximos (muitos) passos que esse projeto ainda vai dar.

****

Se você quiser ler meus textos pra Capitolina, eu fiz uma página aqui no blog com tudo que tenho escrito por outros cantos da internet.

Se você quiser acompanhar a Capitolina, a gente tem Facebook, Twitter, Instagram, Pinterest, Tumblr, 8tracks e Youtube.

6

Desafio #youcandoit: nona semana

Acho que pela primeira vez desde que comecei o #youcandoit, estou de fato postando isso na noite de domingo – é a vantagem de ter um feriado e conseguir escrever os resultados no sábado. Mas nem precisava dessa antecedência toda, porque o desafio não é tão complicado.

DESAFIO #YOUCANDOIT #9: OUÇA MÚSICAS QUE NUNCA OUVIU

Passei boa parte da minha adolescência baixando música sem parar. Tenho 3.0624 itens no meu iTunes no momento, mas hoje em dia só baixo quando é algo que quero mesmo ouvir. Só que, bem, obviamente nunca ouvi boa parte disso – o tempo de baixar as músicas é muito mais rápido do que o tempo de parar para ouvi-las todas. Portanto, estou bem animada para dar uma chance para elas esta semana! Tentarei não ouvir nada que já conheço, só coisas novas.

Se vocês (leitores hipotéticos-imaginários-etc.) decidirem participar do desafio, me contem o que ouviram de bom! Vou adorar conhecer ainda mais coisas novas.

IMG_1176

Resultados #youcandoit: oitava semana

O desafio da semana é algo que eu já estava querendo fazer: escrever uma lista de gratidão. Inspirada no TiLT da Gala Darling, eu já tive o hábito de escrever listas de gratidão semanais, resumindo o que tinha me feito feliz durante aquele tempo. Mas, porque sou terrível em manter hábitos, acabei deixando para lá, e de vez em quando sinto falta. O desafio foi uma boa motivação para voltar a escrever essas listas, então já dediquei uma categoria na minha Filofax maravilhosa para tentar registrar minha gratidão regularmente.

O que é legal nesse tipo de lista é que você desenvolve a prática de prestar atenção em coisas positivas que frequentemente acabam passando despercebidas no meio de estresses e preocupações. Tirar quinze minutos por semana para pensar nessas coisas boas, das mais simples às mais elaboradas, e escrevê-las num lugar que você possa lê-las dá uma noção de importância maior para elas, sem que elas sejam soterradas pelas coisas negativas ou complicadas do dia a dia.

Minha lista de agora inclui:

Capitolina + escrever regularmente + novas possibilidades + escolhas e mudanças + reconhecimento + dia ensolarado + reuniões & conversas produtivas + sonhos se realizando + poder recorrer à família + redes de apoio + amigas que respondem mensagens no meio da madrugada + agenda cheia + noites de sono (poucas, mas importantes) + colo do namorado + netflix + comida gostosa todo dia + comemorações mil + muitos e muitos e muitos planos.

fazendo minha #gratitudelist para o #youcandoit da semana no blógue. ✨✨✨

A photo posted by Sofia Soter (@miss_sofia) on Apr 4, 2015 at 12:51pm PDT

O que está na lista de vocês? Se quiserem fazer como eu e postar no Instagram, me marquem para eu acompanhar!

Foto por Verônica Montezuma.

Desafio #youcandoit: oitava semana

Sem esquecer que ainda estou com o da sexta semana acumulado, lanço aqui o da oitava com uns bons dias de atraso (outros posts acabaram entrando na frente). Felizmente, o desafio de hoje é simples, pelo menos no quesito tempo – não precisa de horário específico, só de um tempinho com calma, papel e caneta (ou um computador).

DESAFIO #YOUCANDOIT #8: FAÇA UMA LISTA DE GRATIDÃO

A ideia da lista de gratidão é simples: é só escrever coisas pelas quais você se sente grata naquele momento. Podem ser coisas básicas que normalmente ignoramos (ter comida na mesa todos os dias, um lugar para morar), coisas enormes que aconteceram (uma promoção no trabalho, uma boa notícia familiar), ou coisas mais rotineiras que nos deixam felizes (acordar com o cabelo bonito, o dia estar ensolarado) – qualquer coisa vale, o importante é só parar para pensar nas coisas boas que acontecem, e escrever numa lista. A blogger Gala Darling faz isso semanalmente, numa série chamada Things I Love Thursday, e por um tempo eu tentei fazer isso também, num arquivo no computador só para mim, mas acabei deixando de escrever, e perdi o hábito. Acho que agora, entretanto, é uma boa hora para voltar!

Que tal vocês experimentarem também? Se postarem sua lista na internet, comentem aqui com o link para eu ver? Posso até compartilhar no post de resultados (junto com a minha própria, claro)!